Terça-feira, 30 de Setembro de 2008

A Melhor Noite!

... A minha floresta. Quantas vezes me embrenhava nela durante a noite. Caminhando, tentava juntar o meu espírito ao dela, auscultar o seu pulsar, sentir a sua presença, conjugar a minha solidão. Olhava para cima nada via. As copas das árvores tapavam a luz da lua. Tudo era escuro. De vez em quando um piar cortava o silêncio da noite.

Andava sem rumo definido pelo emaranhado de lianas, das folhas tropicais, tropeçando aqui e ali nas raízes daquelas grandes árvores que esventravam a terra mãe. Tudo era misterioso.

Certa noite, entregue aos meus pensamentos, não reparando para onde os meus passos me levavam na picada, vi-me, de repente, numa clareira,... olhei para o alto e senti o quanto insignificante era eu no Universo.

Miríades de estrelas cintilavam num céu quase celestial. A lua em todo o seu esplendor, pendente no firmamento, iluminava suavemente a clareira onde me encontrava. As copas das árvores pareciam entrar pelo Cosmos adentro. E eu ali, pequenino, senti que era um nada no meio de tudo.



28.10.2002

publicado por marius70 às 02:47
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Furriel Lima

. A Fossa

. Tchinguinguili

. Noite de Luz - Natal 73

. Nada Mudou

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Junho 2016

. Novembro 2011

. Fevereiro 2011

. Setembro 2009

. Setembro 2008

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds