Segunda-feira, 27 de Junho de 2016

42 anos depois

42 anos são passados desde a altura que tirei esta foto no interior desse mar vegetal de seu nome Maiombe.

"Quero que vejas como eu esta beleza!
Que se alguém já viu eu não sei onde!
São milagres que Deus fez na natureza!
As matas fumegantes do MAIOMBE…! "

Permaneci um ano, num quartel no interior de Cabinda, Tando Zinze.

Das suas cubatas, do sorriso das cabindenses, das noites de batuque, dos alambamentos, do marufo (bebida alcoólica fermentada da seiva da palmeira), das árvores com mais de 20 metros de altura, das picadas lamacentas (picada é um caminho estreito no mato) onde o sol nunca entrava, do malvado mosquito miruí que de tão pequeno era, que nos entrava pelo mosquiteiro e fazia do nosso sangue banquete.

Do malfadado paludismo que me ia quase mandando de "charola" para o hospital. Das festas que fazíamos sozinhos, lá longe onde o sol castiga mais, pelo natal e ano novo.

Das trovoadas que tudo estremecia, da chuva que caía, do dormir em patrulha, no nosso poncho camuflado, debaixo de uma árvore qualquer.

Dos sons dos gorilas, dos pássaros, do silêncio da morte, nunca esqueci

42 anos passados, como o tempo passa!

Cabinda oyé!


publicado por marius70 às 19:22
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Furriel Lima

. A Fossa

. Tchinguinguili

. Noite de Luz - Natal 73

. Nada Mudou

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Junho 2016

. Novembro 2011

. Fevereiro 2011

. Setembro 2009

. Setembro 2008

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds