Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

A Fossa

Sendo a C.Compª 113 em Tando Zinze em 1973/1974, de rendição individual, os nossos soldados eram, maioritariamente, naturais de Cabinda.

Eles não o sabiam mas serviam-me perfeitamente para o que podia acontecer numa patrulha que fizesse. Se iam à vontade e espaçados entre si, era sinal que a patrulha iria decorrer sem problemas, se fossem perto uns dos outros era porque havia IN nas proximidades. Sendo eles da zona sabiam bem, por informação da aldeia de onde eram naturais, os movimentos dos grupos que nos combatiam (não esquecer que nunca tivemos problemas com os fiotes. Entre nós houve sempre um relacionamento de franca camaradagem. Os "turras" como os definíamos, eram naturais de outros locais de Angola ou congoleses.)

Um dia o meu capitão chamou-me pois tinha um problema para ser resolvido. Sabia que tinha formação em desenho e que era desenhador numa Empresa Metalo-Mecânica (EDAL- Estofos de Angola).

O problema residia em fazer-se uma fossa séptica no prolongamento da nossa messe de sargentos, no terreno baldio. Quem esteve em Tando Zinze sabe bem o local. A outra existente já não comportava mais e era necessário fazer uma nova.

Fiz o desenho, um buraco quadrado com canas grossas sobrepostas de forma a não deixar passar fosse o que fosse. Aprovado o projeto mãos à obra.

E durante uns dias, buraco aberto, canas metidas, atadas umas às outras, sempre sobre a minha supervisão e após algum tempo, os remates finais, tampa colocada e há que tapar tudo aquilo.

É este o momento que a obra está a finalizar. Os nossos camaradas a tapar a fossa e eu devia ter vindo de alguma ida à floresta buscar lenha pois estou com farda de trabalho e de G3 na mão.


publicado por marius70 às 18:45
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Janeiro de 2018

Tchinguinguili

Quando nos referimos o local onde estivemos na tropa, quase sempre indicamos a zona (hoje "comuna") onde estava inserido o nosso quartel.

Ao reler as cartas que escrevi há 44 anos, verifico que tinha lá o nome da povoação junto ao nosso quartel.

Tchinguinguili é o nome dessa aldeia (hoje tanto aparece como o que aqui está, como perde o "Tê" e fica Chinguinguili)

Aqui no quartel de Tando Zinze com o Furriel Guedes, e outros camaradas naturais de Cabinda.


publicado por marius70 às 19:25
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Furriel Lima

. A Fossa

. Tchinguinguili

. Noite de Luz - Natal 73

. Nada Mudou

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Junho 2016

. Novembro 2011

. Fevereiro 2011

. Setembro 2009

. Setembro 2008

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds